Portal JE10 - Cordeirópolis e Região

Portal JE10 - Cordeirópolis e Região

Conheça o APP AcheAki | Android e IOs

Estudo da USP encontra 3 tipos de variantes da Covid em amostras de Cordeirópolis

Cordeirópolis confirma variantes brasileiras P1, P2 e B1.1.28 

A Prefeitura de Cordeirópolis divulgou nesta quinta-feira (01) o resultado das análises que o laboratório da USP de Pirassununga analisou e mostrou que cinco das amostras  dos casos positivos de SARS-CoV2 em Cordeirópolis encontrou três tipos variantes brasileiras: a  P1, P2 e B1.1.28. Ao todo foram analisadas 20 amostras entre os dias 25 e 26 de março, sendo 14 de Pirassununga, cinco de Cordeirópolis e uma de Santa Cruz das Palmeiras.

Entre os resultados, 100% das amostras avaliadas em Pirassununga (14/14) foram da variante P1(Manaus). Em Cordeirópolis foram encontradas as variantes P1, P2 e B1.1.28 (três variantes brasileiras). A amostra analisada de Santa Cruz das Palmeiras foi determinada como da variante americana B.1.566 (EUA – Arizona e Texas).

Para o prefeito de Cordeirópolis, Adinan Ortolan, “Isso só comprova o que sentimos com o aumento de casos com pessoas mais novas, além da ampliação do número de contaminação. Infelizmente nesta quinta-feira atingimos o maior número de casos de internação, com 19 pacientes, sendo seis intubados. Também atingimos nosso recorde de indivíduos em monitoramento, com 498”, comentou o chefe do executivo.

Em nota a Secretaria de Saúde de Cordeirópolis explicou como são essas variantes.

A variante P1 é conhecida como a cepa de Manaus, a variante P2 foi identificada inicialmente no Rio de Janeiro e a B1.1.28, que é a mais recente (estima-se que a mutação ocorreu entre dezembro de 2020 e janeiro de 2021), provém de evolução da linhagem que circulava na Amazônia.
As três variantes têm mutações que conferem alguma vantagem seletiva para a transmissibilidade viral, tendo como característica da mutação a capacidade de ser mais contagioso, tornando assim a transmissão pelo vírus mais rápida de uma pessoa para outra.

É importante lembrar que mutações em vírus são comuns e esperadas. Quanto mais a população circula, mais o vírus se transforma, até por uma questão de sobrevivência. Ele pode ficar mais forte, mais letal, mais contagioso, dentre várias outras características. A única maneira eficaz de evitar mutações e consequentemente evoluções do vírus é impedir que ele circule através do isolamento e distanciamento social.





Leia Também

Deixe um comentário Para "Estudo da USP encontra 3 tipos de variantes..."